Você está em:

Manufatura em nova tendência - Indústria 4.0


A  Indústria 4.0 , ou quarta Revolução Industrial, une os mundos físicos e virtuais e é tema de palestra nesta sexta-feira em Maringá

 

Nesta sexta-feira o Coordenador da Fiep no Conselho de Política - Comitê Industria 4.0,  Filipe Cassapo, fará palestra para empresários do setor de TI durante encontro organizado pela Software by Maringá. Será às 15 horas no Boteco do Neco. A Indústria 4.0 é a nova tendência que vem sendo popularizada no mundo. Embora no Brasil ainda dê os primeiros passos, não há mais como voltar atrás

 

Também  conhecida como a 4.ª Revolução Industrial , envolve um conjunto de mudanças nos processos de manufatura, design, produto, operações e sistemas relacionados à produção, aumentando o valor na cadeia organizacional e em todo o ciclo de vida do produto.

 

O termo 4.0 é derivado da quarta versão de mudanças na manufatura mundial, motivadas pela união dos mundos físicos e virtuais. Em lugar da produção rígida, que determina a fabricação por meio de sequência e padronização,  a própria peça ou produto poderá direcionar comandos sobre seu próprio mecanismo , a partir de dados coletados do sistema. A produção se torna propositiva, respondendo imediatamente aos problemas.

 

Mas a interconexão não é só interna. “Outro aspecto importante da Indústria 4.0 é a produção multiatores, na qual  todas as partes interessadas do negócio, como empresas parceiras e clientes, estão integradas ”, afirma Filipe Cassapo.

A Indústria 4.0 não pode ser confundida com robotização, um fenômeno ligado à terceira Revolução Industrial, de meados do século passado. O movimento pretende aumentar a viabilidade sem a necessidade de importação de equipamentos caros, acrescidos de altas taxas tributárias. “Se implementar tal sistema significa mobilizar uma cadeia de valor nacional, conectada internacionalmente, de centos de pesquisa, universidades e empresas nascentes de base tecnológica (as startups), o cenário passa a ser radicalmente diferente, particularmente sob a ótica da geração de riquezas, renda e empregos”, explica Cassapo.

 

Para os industriais,  a maior razão para uso dessas tecnologias é o aumento da produtividade . Com elas, é possível produzir maior quantidade de bens, com uso de menores recursos, de forma mais sustentável, a custos inferiores e qualidade superior.

Além disso, nessa cadeia, os fabricantes não são os únicos a serem beneficiados. Fornecedores de tecnologia também ganham ao vender suas soluções, perfeiçoadas constantemente graças às pesquisas na área.

 

E, finalmente, as  vantagens atingem os consumidores , que têm ao seu alcance um produto com custo reduzido, qualidade superior e individualizado.

 

Um dos entraves poderia ser considerado pela idade média dos equipamentos, que no Brasil é de 17 anos, enquanto nos Estados Unidos atinge sete anos e na Alemanha, cinco.

 

Alemanha e Estados Unidos saem na frente na corrida da modernização por apostarem mais na pesquisa aplicada e no desenvolvimento de tecnologias produtivas próprias, além de terem observado cedo o potencial da quarta Revolução.

Cassapo destaca que  esses países investem 2,5% do PIB em pesquisa e desenvolvimento , enquanto no Brasil o índice de investimento é de 1,2%.

 

O setor automotivo historicamente esteve mais atento a movimentos que se traduzem em crescimento de competitividade, como automação, robotização, qualidade total e  lean manufacturing . Esse é o motivo pelo qual o segmento lidera o processo da Indústria 4.0. No entanto,  todos os setores industriais serão gradualmente atingidos  pela quarta Revolução Industrial.

 

Nesse cenário de mudanças, é importante que as indústrias entendam o que está por trás dos conceitos dessa nova revolução. “As empresas devem ter a noção clara das tendências de futuro relacionadas ao seu modelo de negócios. Assim poderão formular um plano de longo prazo para potencializar o processo produtivo, usando as soluções da Indústria 4.0”, conclui Cassapo.


 
Veja Mais:

SindTI
Assespro
Famma
UEM
Sebrae
APL de Software
Governo do Paraná
ACIM
FCV
Prefeitura de Maringá
Unicesumar